terça-feira, 24 de março de 2009

O que vejo e o que conto


Hoje, quando saí de casa, reparei na minha vizinha que chegou ao carro e se esqueceu de qualquer coisa e voltou para casa.

Um pouco mais à frente, no café, reparei nas mulheres que disfarçadamente escondiam o pijama por baixo das grandes saias a imitar a camurça e os homens de chinelas.

Já na Lourinhã vi as rotundas com um manto branco quase a desaparecer e também nos carros que andavam a 40 km hora porque, provavelmente, as pessoas que os conduziam estavam cheias de sono!

Mais à frente, ao pé da escola, vi os alunos já com os elásticos e os papéis prontos para serem atirados nas aulas!

Já no fim das aulas, e depois da minha mãe me ter ido buscar à casa da minha tia (às 18:30h), o que se via na rua era diferente do panorama da manhã: as pessoas já tinham pressa e para quê? Para chegarem a casa!

Gonçalo Frade (7ºC)

domingo, 22 de março de 2009

Importância do Sonho


O Sonho comanda a vida, bem como, na minha opinião, também comanda a esperança que temos para uma vida melhor. Digo isto, porque tudo começa com um sonho até se tornar realidade. Isto é, quando sonhamos temos uma razão para continuar a percorrer aquele longo caminho que nos transforma em pessoas melhores…

Sem sonho não há objectivo. E se pensarmos bem nesta frase, percebemos que não sonhamos porque vivemos, pelo contrário, vivemos porque sonhamos. Embora quem sonhe demasiado não ganhe nem perca. Melhor dizendo sonhar não é proibido, ainda que já tenha sido. Muitos homens e mulheres lutaram muito, no passado, para conseguirem alcançar o objectivo que queriam e, no fim, puderam dizer: «tornei o meu sonho realidade». Outros morreram. Houve quem, simplesmente, tenha tentado abafar o sonho, vivendo de olhos vendados e a mente fechada com mil cadeados.

Felizmente, hoje em dia, o sonho é partilhável, normal. Às vezes, demasiado normal, quase sem importância. Por isso é que ainda há quem ache o sonho uma coisa sem valor. Por exemplo: Por vezes, quando vemos ou sentimos algo estranho, inexplicável, muitos preferem pensar que foi um sonho, uma alucinação! E é por coisas como estas que o mundo não muda os seus males. Mas talvez, um dia, ainda possamos todos vir a dizer que tornámos este mundo em algo melhor. Afinal de contas, a esperança é sempre a última a morrer…

Ecaterina Ciobanu (7ºE)
Tenho escolhas

Não sei que escolher
Estudar ou rebelde ser

Vejo os pássaros a piar
Os cães a ladrar

Será que foi isso que escolheram
Será que foi isso que quiseram

Eu tenho escolhas
Eu tenho diversão
Eu preciso de dinheiro na mão
Para me poder alimentar
E um tecto segurar

Eu tenho escolhas
Eu tenho probabilidades
Eu preciso de habilidades
Para poder trabalhar
E me sustentar

Tenho escolhas
Tenho escolhas
Mas não sei o que escolher
Divertir-me com a vida
Ou então enriquecer

Mas e se eu estudar
Mas e se o governo tudo dificultar
Mas e se depois de tanto estudo trabalho não encontrar
Mas e se valer mais a pena pegar num instrumento e uma banda criar

Tenho escolhas
Tenho escolhas
Mas não sei o que escolher
Divertir-me com a vida
Ou então enriquecer
Mas isso é complicado
E com a vida posso-me sentir frustrado

Dominique Martinho (8ºD)

quarta-feira, 11 de março de 2009

Dor


Sinto-me arrastado
Pelo asfalto
Como se tivesse a ser castigado
Por algo que não fiz
Sinto-me injuriado
Como se tivesse sido obrigado a comer giz

A minha sorte
Era que chegasse a morte
E me levasse
Para o cemitério
Onde a morte para mim deixaria de ser mistério

Mas a morte não chega
A minha mente não sossega
E sinto-me entregue ao álcool
E à droga
Pois aí a dor afoga

Suicídio nunca foi solução
Iria sentir dor que nem um cão
Esfomeado
Abandonado
Odiado

Mas a alegria haveria de vir
Se o sistema a sociedade quisesse abolir
E implantar uma anarquia
Onde toda a gente governaria

Dominique Martinho, 8ºD
A minha Escola


Eu adoro a minha escola, o seu ambiente é muito bom e adoro o convívio entre os alunos, especialmente, no Verão. A minha turma fica sempre junta nos intervalos é por isso que o nosso convívio é espectacular!

Contudo, gosto também muito dos funcionários das professoras e professores. São pessoas muito simpáticas e atenciosas.

Isto é, apesar da escola não ter muitas condições e estar um pouco velha, nunca a trocaria por nenhuma outra escola. Nem mesmo que outra escola tivesse melhores condições ou melhor equipamento.

Em poucas palavras esta escola onde eu ando tem muito significado para mim. Mas porquê? Porque foi aqui que os meus pais começaram a namorar...


Sara Oliveira, 7ºE
Como gosto de passar o tempo livre?


Agora, raramente tenho tempo livre, com a escola, mas, quando tenho, gosto de passar com os meus amigos, a jogar computador ou a ver televisão.

Mas, apesar de eu me querer ir divertir não posso deixar de fazer as coisas da escola, nem mesmo de estudar, se bem que, o sétimo ano, seja um pouco difícil e são muitas disciplinas.

Contudo, gosto de me divertir, ao fim de semana, por exemplo, com um colega ,que agora vive em Lisboa. Somos amigos desde o primeiro ano e nunca nos separámos, somos os melhores amigos!

Quando ele vem cá eu vou sempre lá a casa para brincarmos, mesmo assim, arranjo tempo para ajudar a minha mãe nas tarefas de casa.

Em poucas palavras, não deixo de fazer as minhas tarefas para me divertir, porque a escola está em primeiro lugar.

Sara Oliveira, 7ºE