quarta-feira, 22 de junho de 2016

Poemas visuais - 2015/16

Aquando  do estudo do texto poético no sétimo ano (7A e 7B),  procurando  sensibilizar para a importância da forma e, simultaneamente, trabalhando o caráter lúdico, propusemos, novamente, a construção de poemas visuais, tal como já temos feito noutros anos. Assim, e após a visualização de vários poemas visuais, fizemos um wordstorming com a participação de todos os alunos das turmas a fim de ser escolhido um tema. No caso do 7º B, a palavras que resultou dessa atividade foi: circo. No 7º A, a palavra final foi: facebook.

Deixamos aqui alguns dos trabalhos:

7A - Tema: Facebook





















 Marta Domingues (7A)























7B - Tema: Circo


 Beatriz Leitão (7B)
 Emília Silva (7B)
 Filipa Emídio (7B)
 Guilherme Fonseca (7B)


quinta-feira, 9 de junho de 2016

4º Concurso de Palavras Cruzadas | DiNotícias

No início do 3º Período, realizou-se, nas aulas de português, a Prova  para o 4º Concurso de Palavras Cruzadas - DiNotícias.
Estiveram envolvidas 58 equipas de dois a quatro elementos, num total de 211 alunos do 3º ciclo do Agrupamento. 
A Prova consiste na resolução de um exercício de palavras cruzadas feito, tendo por base, essencialmente, a primeira edição do DiNotícias publicado no presente ano letivo (fevereiro/2016).
Trata-se de uma iniciativa que vai já na 4º edição e tem tido aceitação por parte dos alunos. 
Assim, de uma forma lúdica, além de se desenvolver a competência da compreensão, promove-se a leitura do jornal escolar.

Pelo Regulamento, é premiada a primeira equipa de cada um dos anos do 3º Ciclo: 7º, 8º e 9º Anos.
PREMIADOS
  • 7º ano | 1º Lugar - Equipa formada por: Beatriz Ferreira, Beatriz Leitão, Emília Silva e Filipa Emídio do 7ºB;
  • 8º ano | 1º Lugar - Equipa formada por: Margarida Fernandes, Daniela Vitorino, Inês Fonseca e Lara Marques do 8ºF;
  • 9º ano | 1º Lugar - Equipa formada por: Inês Gomes, Jessica Oliveira, João Lopes e Mariana Ribeiro do 9ºA.
Todos os participantes recebem um certificado de participação (marcador) e os elementos de cada uma das equipas premiadas recebe um livro.
Aproveitamos para agradecer a colaboração da professora Elisabete Delgado na criação do cartaz e certificados de participação.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

DiNotícias, 2ª Edição (2015/16)

Na 2ª Edição do DiNotícias, n.º 12 (maio de 2016), foram publicados cinco trabalhos escritos decorrentes de atividades desenvolvidas nas aulas de português. Três nas aulas do sétimo ano (turmas A e B) e um a nível do nono ano. Fazemos ainda referência a uma notícia que apareceu na última página sobre resultados da participação num concurso de escrita.
O primeiro trabalho é um texto de opinião. O segundo texto e o terceiro são exemplos de textos jornalísticos, o primeiro uma entrevista e o segundo a reportagem do 4.º Concurso de Palavras Cruzadas. Todos os trabalhos resultam de propostas de atividade feitas em sala de aula. Os dois últimos foram feitos fora da sala de aula.
No último caso, os textos são apreciações críticas - "Um olhar sobre o DiNotícias" -, tratando-se de uma rubrica que tem vindo a ser proposta em sala de aula quer para utilização do jornal escolar como recurso pedagógico quer com treino para a escrita da crítica / apreciação escrita.
Por fim, fazemos referência à última imagem e que é a foto possível dos prémios recebidos pelas alunas que receberam o 1.º e 2.º lugares do respetivo escalão do 2.º Concurso de escrita promovido pelo Festival "Livros a Oeste", promovido pela Câmara Municipal da Lourinhã. Decidimos publicar os textos vencedores. 

Digital versus papel

   Na minha opinião, o papel está a ser substituído por tecnologias de hoje em dia.
   Algumas pessoas ainda utilizam o papel para escrever, ler e até outras coisas, porque estavam habituadas ou porque não utilizam tecnologias.
  
Eu uso muito as tecnologias para ir à internet, escrever textos no word e muito mais, mas na escola e noutros sítios também utilizo o papel para escrever, leio revistas e alguns jornais que a minha avó costuma comprar nos quiosques ou papelarias.
   Quando não existiam tecnologias, as pessoas usavam mais o papel e davam-lhe mais importância e quando elas apareceram, as pessoas aprenderam a usá-las e muitas delas já não passam sem as tecnologias, o que é um pouco mau, pois se os computadores, telemóveis modernos e outros dispositivos desaparecessem por uma razão qualquer, as pessoas que estavam habituadas a esse tipo de ferramentas teriam de voltar ao papel e davam-lhe mais importância.
   Hoje em dia, existem muitas redes sociais onde se podem trocar mensagens com as outras pessoas e dantes, para se comunicar com alguém que estivesse mais longe, mandava-se uma carta e elas depois respondiam.
   As tecnologias também são importantes, porque desenvolveram o mundo e é um meio mais rápido e mais utilizado por as pessoas.
   Concluindo, tanto o papel como as tecnologias, são importantes.
Beatriz Leitão (7B)


Entrevista a Paulo Lima

No âmbito do projeto - Construir um jornal -, proposta de trabalho nas aulas de português das turmas A e B 7ºAno, uma das tarefas era fazer uma entrevista. O nosso grupo, cujo jornal tinha como tema a própria turma (7notíciAs), decidiu fazer a entrevista ao professor de físico-químicas, Professor Paulo Lima, pela particularidade de ter uma banda de música, onde é vocalista. A Banda chama-se Manifesto e atuou recentemente na AMAL (Associação Musical e Artística Lourinhanense).

Há quantos anos é professor?

Sou professor em modo contínuo há cerca de 16 anos, sendo que a primeira experiência foi ainda em acumulação com a Universidade, enquanto estudante… em 1998.

Ser professor era aquilo que sonhava ser quando era criança?

Nem por isso. Só se tornou evidente que esta era uma vocação possível, entre outras, já no 3º ano da faculdade. Na altura, o curso onde se entrava era de Física ou Química e só no 3º ano tínhamos de escolher uma via, sendo a via de ensino uma das alternativas. Quando entrei no curso pretendia obviamente algo relacionado com ciência, mas nunca me tinha ocorrido a docência. No entanto, quando escolhi esta via pareceu-me uma decisão lógica, evidente e inequívoca. Como se esta decisão se tivesse configurado ao longo do meu percurso escolar e académico, sem que eu tivesse consciência disso.



Do que é que mais gosta na sua profissão? E do que é que gosta menos?
Gosto da autonomia, da riqueza proveniente da diversidade das iterações e das relações interpessoais com toda a comunidade educativa e principalmente… gosto da importância e da responsabilidade social desta mais do que profissão.
Gosto menos da burocracia inerente à profissão, da aparente inevitável necessidade de classificar.

O que é que o preocupa mais na escola?

O que mais me preocupa é a desvalorização que a escola tem sofrido numa sociedade que tende para um materialismo crescente e onde a escolarização vai deixando de ser garantia de sucesso profissional.

Quais são os seus hobbies?

A música é o meu hobbie de eleição, como ouvinte e não só. Mas tenho outros hobbies, como o futebol e o cinema (nestes casos apenas como espetador) e a leitura.

Como surgiu o seu gosto pela música?

O meu gosto pela música vem desde os meus 15 ou 16 anos de idade, altura em que conheci algumas das minhas bandas favoritas e em que organizávamos nas Associações de Estudantes concertos, concursos e festivais da chamada Música Moderna Portuguesa. Este período ficou conhecido como o “Boom do rock português”, pois houve uma ‘explosão’ de bandas por todo o lado, muitas delas ainda referências da melhor música portuguesa de hoje. Sublinho que poucas bandas de rock existiam antes deste período e que até esta altura havia um forte preconceito em relação à utilização do português na música rock.

Há quantos anos tem a banda Manifesto e qual é o género musical que toca?

Os Manifesto existem desde 2011 (têm 5 anos), mas antes dos Manifesto tive, de 1992 até 2009, uma outra banda com aquele que também é o baterista dos Manifesto e que foi meu colega de turma no ensino secundário. Os Manifesto são, apenas e só, uma banda de rock.

O que sente quando está a atuar em palco?

Nos primeiros tempos sentia fundamentalmente um misto de nervosismo e adrenalina. Hoje sinto sempre uma pequena ansiedade inicial que ao longo do concerto se vai convertendo numa simples e quase infantil felicidade. A adrenalina hoje vai variando de concerto para concerto, dependendo da interação, da proximidade, da cumplicidade do público.

1.    Se só pudesse escolher entre ser professor ou músico qual escolheria?

Nenhum de nós é uma coisa só, por isso não consigo conceber um cenário em que tivesse de fazer uma escolha dessas. Se não puder dedicar algumas horas por semana à música, dedico alguns minutos. Se não puder dedicar alguns minutos, dedico alguns segundos J
Escolhi ser professor e em nenhum momento equacionei ser músico, porque nunca me imaginei na música sem ser de forma completamente livre. Além do mais, porque acho que este hobbie torna-me inquestionavelmente melhor professor, acredito que são duas atividades que se complementam.

Quais são os seus projetos futuros?
Os meus projetos futuros passam por dar continuidade ao presente, ou seja, estar sempre à altura da importância e da responsabilidade da profissão que escolhi e continuar na música de forma livre e solidária.


Beatriz Estêvão (7A)
Beatriz Ribeiro (7A)
Camila Canôa (7A)
Catarina Sampaio (7A)


4º Concurso de Palavras Cruzadas DiNotícias
Ao longo da primeira e segunda semanas do 3.º período, e no âmbito das atividades do Projeto “A Hora das Palavras” da disciplina de Português, os alunos do 3.º ciclo do agrupamento D. Lourenço Vicente participaram no 4.º concurso de Palavras Cruzadas.
Esta atividade é dinamizada pelos professores de 3.º ciclo de Português do nosso agrupamento, João Ferreira, Sandra Barbosa, Helena Araújo e Rosalina Simão Nunes. Para participarem os alunos criaram grupos de três a quatro elementos, tendo sido inscritas 58 equipas, num total de 211 alunos. No 7.º ano inscreveram-se 20 equipas, no 8º ano inscreveram-se 23 equipas e no 9.º ano inscreveram-se 15 equipas.

As palavras cruzadas são um quebra-cabeças que estimula o enriquecimento de vocabulário, a compreensão da língua portuguesa e a cultura geral. Para além disso tratando-se de um concurso é uma forma diferente e criativa de aprendermos e aplicarmos os conhecimentos, onde o convívio e o espírito de equipa entre os alunos estão sempre presentes. A prova realiza-se na aula de Português e as equipas têm 45 minutos para a completar, tendo 15 minutos de tolerância.
Nesta 4ª edição deste concurso a classificação final foi a seguinte:
7º ano | 1º Lugar - Equipa formada por: Beatriz Ferreira, Beatriz Leitão, Emília Silva e Filipa Emídio do 7ºB;
8º ano | 1º Lugar - Equipa formada por: Margarida Fernandes, Daniela Vitorino, Inês Fonseca e Lara Marques do 8ºF;
9º ano | 1º Lugar - Equipa formada por: Inês Gomes, Jessica Oliveira, João Lopes e Mariana Ribeiro do 9ºA.
As equipas vencedoras receberão um prémio e todos os alunos participantes um marcador de livros.
Os resultados totais serão publicados no site do Agrupamento.
Esta foi a primeira vez que participei, o que constituiu uma experiência muito estimulante e divertida. Das opiniões que ouvi dos meus colegas e do ambiente que tive a oportunidade de vivenciar durante esta atividade, estou certa de que, independentemente dos resultados, todos os alunos gostaram de participar neste concurso. Fazemos votos de que para o ano se possa realizar a 5ª edição.
Ah, e, já agora, até lá, boas palavras cruzadas para todos. Divirtam-se e cuidem bem da Língua Portuguesa!
                                                                                            Catarina Sampaio (7A)


Na minha opinião, o jornal escolar é importante para dar a conhecer o trabalho desenvolvido pelos alunos e professores do Agrupamento, ao longo do ano letivo.
O seu conteúdo tem notícias acerca de muitas atividades que são desenvolvidas no Agrupamento durante cada trimestre, como: o desporto escolar, os concursos, os textos dos alunos, palavras cruzadas para fazer com base nos jornais anteriores, etc. Gosto em especial das palavras cruzadas, pois considero uma atividade lúdica interessante.
Há aspetos que poderiam ser melhoradas, por exemplo, seria interessante existir um espaço, no jornal, dedicado às Artes (que se fazem nas várias escolas do Agrupamento) e outro da responsabilidade dos auxiliares, já que eles também fazem parte do nosso Agrupamento.
O jornal “Dinotícias” é cativante e motiva os alunos a participar em atividades nele anunciadas, como por exemplo o Desporto Escolar.
Leio sempre o Editorial, texto escrito em todos os jornais pelo diretor. Gosto da maneira como se dirige a nós (alunos) e da simplicidade da sua escrita.

Maria Arsénio, (9B)


O jornal escolar da minha escola chama-se DiNotícias, acho o título adequado para a região onde vivemos, o jornal é importante para estarmos sempre a par das actividades engraçadas que decorrem no agrupamento.
Penso que a maneira como está organizado é bastante boa, pois a capa e a contracapa estão a cores e o jornal por dentro está a preto e branco, logo aí dá-nos uma motivação porque é um jornal diferente e pelo menos eu nunca vi um jornal assim em qualquer outra escola ou lugar.
Em cada jornal, há um pequeno texto do diretor, o editorial, logo assim que o abrimos e, particularmente, este é um texto interessante principalmente porque termina muitas vezes com questões por descobrir.
De todo o jornal, gosto particularmente dos textos e penso que podia haver ainda mais textos escritos por alunos.
Os títulos dos artigos como se destacam, temos maior motivação para lermos os textos. O jornal tem sempre alguns poemas escritos por alunos e na edição de janeiro saíram poucos. Os poemas são escritos por alunos e neste jornal aquele de que mais gosto é o que fala da “Amizade”, na página treze, escrito pela aluna Carolina Fernandes. É um poema muito curioso!
Maria Vítor, (9A)


Besouro
- Já estou atrasada! Mãe, onde está a minha camisa preta? – perguntou Ema.
- Mas será possível?! Nunca sabes de nada... és uma desarrumada! Está em cima da tua cama! – gritou a mãe, cansada de repetir sempre o mesmo.
- Já a encontrei! Obrigada mãe. Constança, já estás pronta?
- Quase mana, falta só vestir o casaco.
Ema de catorze anos e Constança de nove são irmãs. Ema sempre foi uma rapariga muito educada mas à medida que o tempo foi passando, o desinteresse pela escola tem vindo a aumentar. Já, Constança é uma excelente aluna, quer sempre mostrar o quanto boa aluna é tem bastante interesse em obter os melhores resultados. Constança, tem uma maturidade muita acima dos meninos e meninas da idade dela. Foram para a escola.
- Mais um dia nesta triste escola. – reclamava Ema, como era o habitual.
- Se continuares a pensar assim, com esse desinteresse todo, vais obter resultados muito inferiores àquilo que consegues obter quando te esforças. – diz Constança à sua irmã.
No final do dia, ao jantar, surgiu um diálogo entre a mãe e a Ema.
- Hoje, a diretora de turma informou que dia 27 de Janeiro iremos realizar os exames psicotécnicos. Preciso que assine aqui.
- Está bem! Já tens uma vaga ideia daquilo que pertendes ser ou as áreas que queres ter no próximo ano?
Ema encolheu os ombros... Na realidade, não pensava normalmente no futuro. Cada dia, deveria ser vivido com a máxima intensidade tal como se fosse o último. Afinal, que tempo lhe dava a escola para se concentrar no que haveria de ser um dia? A mãe, preocupada e desiludida, continuou as suas tarefas e não disse mais nada.
No dia seguinte, Ema acordou mais bem disposta que o habitual e nem ela própria percebia o porquê. Depois de um pequeno almoço a correr, as irmãs despediram-se da mãe e seguiram para a escola.
Atravessaram um belo jardim, situado perto de casa, quando vindo do meio do nada surgiu um besouro que mais parecia um furacão. O olho direito de Ema serviu de aeroporto para uma aterragem inesperada. Ema sentiu  uma enorme dor e a irmã contactou de imediato a mãe que levou Ema para o hospital.
- Aquele bicho só poderia estar a fugir da escola... Não vejo outra explicação! Tal era o pavor que nem viu para onde ia! – exclamou Ema.
Após algumas horas de espera  e a realização de alguns exames, a mãe foi informada de que a filha deveria ficar internada para salvaguardar qualquer problema que pudesse surgir nas horas seguintes.
Ema não ficou descontente. Afinal, iria faltar às aulas sendo um maravilhoso presente. Contudo, essa alegria desvaneceu-se quando constatou que o seu parceiro de quarto era um idoso com ar carrancudo. Ao observá-lo pensou se o melhor seria estar sossegada e não referir qualquer palavra ou, pelo contrário, iniciar um diálogo para descomprimir um pouco daquela situação constrangedora.
Na verdade, não foi necessário iniciar a conversa. O seu parceiro de quarto observou-a fixamente e perguntou-lhe num tom algo arrogante:
- O que vês?
Pensativa e hesitante saltou da boca de Ema uma só palavra:
- Nada...
- Exatamente... nada!
Ela, sem saber uma vez mais o que dizer, manteve-se calada... O nada pode ser muito. Perante, o seu silêncio o idoso continuou:
- Apesar de seres uma adolescente, acredito que já estejas a construir caminhos que te possam ajudar a conquistar os teus sonhos. Sabes... eu não o fiz e por isso... não há frutos sem sementes. O esforço e a magia de querer alcançar os objetivos não estavam presentes na minha cabeça.
Mais tarde, é que me apercebi do que eu poderia ter feito e concretizado mas..., enfim, agora já é tarde de mais. Quando olho para o espelho vejo o reflexo de um vazio, de uma alma sem memórias, de uma pessoa triste, doente, fria e só. No que me tornei...
De repente, Ema sentiu-se inundada por uma enorme tristeza mas, ao mesmo tempo, por uma luz interior que lhe transmitia uma força até então desconhecida.
Pousou delicadamente a sua mão na do idoso e referiu:
- O nada pode ser muito! No que se tornou? Tornou-se num exemplo! Simplesmente porque o seu exemplo não pode servir de exemplo à história que quero escrever.
O idoso sorriu e fechou os olhos. Ema sentiu que naquele preciso momento devia algo à vida e que a vida não poderia ser posta de parte. Há pessoas, palavras, gestos... que levamos eternamente na bagagem porque merecem lá estar e porque nos ajudam a construir os tais caminhos que, por vezes, só um simples e minúsculo ser como um besouro conseguirão explicar.
Cíntia Guerra (9B),
3.º lugar no Concurso de escrita "Livros a Oeste", 
escalão | 3.º ciclo, 2.ª edição

As Cores da Minha Música
Que terra era aquela? Já não me lembro do nome, era uma terra diferente de todas as outras, tinha um nome inglês qualquer, mas não pertencia a Inglaterra, era uma terra de sonho, mas já não existe.
Naquela terra, nada parecia ser real… Era tão colorida, cheia de flores de várias espécies, árvores e vastos campos verdes. Mal punhas lá os pés ouvias o som das tuas músicas preferidas, misturadas com o som dos passarinhos a cantar.
Que terra agradável! Quem me dera poder estar lá sempre que quisesse. Mas a mãe diz que é perigoso, diz que não deveria andar naquelas terras, diz que sou muito nova para as perceber, para perceber as pessoas e o seu espírito. Mas a mãe é que não percebe, não sabe o que eu já sei e naquela terra colorida, para sempre ficarei…
Por muito que procurasse, não conseguia encontrar o problema de que a mãe tanto falava, sobre aquela terra.
Todos os dias lá ia e todos os dias voltava…
A mãe estava sempre a ver as notícias, preocupada com a poluição no mundo, e com os desastres naturais que poderiam vir a acontecer e, todos os dias, me voltava a dizer para parar de ir àquela terra. Mas porquê? Porque é que eu iria parar de ir a um local que me fazia feliz? Onde toda a gente era simpática e todos mostravam amor uns pelos outros?! Não percebia do que é que a mãe me estava a avisar, mas também não me queria explicar.
Um dia, voltei e estava a mãe a dançar sozinha na sala, com a televisão acesa no canal do noticiário. Que estranho, a mãe estar feliz a ver o noticiário… Ela costumava estar preocupada, mas por alguma razão, a mãe estava feliz. Perguntei-lhe o que é que se tinha passado e ela disse-me que há umas semanas a trás previram uma grande tempestade perigosa e forte como nunca antes, mas que agora tinham encontrado uma solução. Fiquei bastante feliz, apesar do mundo não ser o meu local preferido e ter a possibilidade de me esconder na minha terra especial, eu não queria ver ninguém a morrer, pois ninguém sabia da existência desta terra fantástica, a não ser eu e a mãe, por isso, estava feliz! Ora boa! Uma solução para a tempestade! Mas qual seria a solução? Perguntei à mãe, mas ela não me quis dizer. Estaria a mãe a esconder algo de mim?
Dia após dia fui notando aquela terra especial, cada vez menos colorida,  as pessoas mais tristes, cada vez menos passarinhos a cantar e, já não ouvia o som da música. O que estava a acontecer? Tentei perceber mas ninguém me soube explicar.
Cada vez que voltava a casa, já não estava feliz como antes, voltava triste, a ver a minha terra preferida a perder a sua magia, sem saber o que o estava a provocar.
Até que um dia voltei lá, com esperança de ajudar, mas a terra já não existia. Agora era um espaço branco sem portas, sem janelas, com linhas por pintar. Já não havia ninguém, já não havia amor naquela terra, já não havia nada!
Regressei a casa a chorar, como se o mundo estivesse a acabar, como se já não houvesse razão para viver. Entrei na sala, mas a mãe não estava lá. Ouvi uma voz a chamar por mim… Vinha do jardim. Lá cheguei e, lá estava a mãe com um sorriso na face, sentada numa cadeira, com o seu melhor vestido. A mãe recebeu-me de braços abertos, sem me perguntar porque estava eu a chorar. Começou a falar de como o dia estava belo e como estava feliz. Porque é que a mãe falaria disso, antes de perguntar a razão pela qual eu estava triste? A mãe nunca foi assim. A mãe nunca falou do quanto feliz estava. A mãe estava provavelmente a esconder algo de mim, parecia estar a disfarçar algo. Perguntei-lhe novamente o que se estava a passar, mas antes da mãe responder, a campainha tocou. Acompanhei-a à porta, onde esperava um polícia alto, com um envelope na mão. O polícia abriu a boca para dizer o pior que eu esperava ouvir. “Queremos agradecer pela sua grande ajuda, para encontrar a solução para a tremenda tempestade que aí vinha. Todos nós temos um grande ‘obrigado’ a dizer-lhe, pois sem si nunca teríamos o conhecimento da tal terra chamada “Pepperland” e nunca teríamos conseguido direcionar a tempestade para lá, o que nos salvou a todos. Por isso, muito obrigado! Esta é a sua recompensa.”
A mãe olhou para mim, com ar de quem queria pedir desculpa, mas pedir desculpa não ia mudar nada. Fui a correr para o meu quarto. Lágrimas escorriam pela minha face, já não sabia para onde fugir, já não sabia em que pensar. A minha música apagou-se. A minha querida terra, vejam o que lhe fizeram! Esta terra podia nos salvar a todos! (Se calhar salvou, um dia saberei). E agora? Como é que a vou pintar de novo?
Rita Mesquita (9B),
2.º lugar no Concurso de escrita "Livros a Oeste", 
escalão | 3.º ciclo, 2.ª edição