segunda-feira, 30 de junho de 2014

DiNotícias, 2ª Edição (2013/14)

Na 2.ª Edição do DiNotícias, junho de 2017, n.º 8, foi publicada a apreciação crítica , Um olhar sobre o DiNotícias, da autoria de Ana Carolina Ferreira (9B). Começava desta forma a rubrica Um Olhar sobre o DinNotícias, uma parceria com a equipa responsável pela construção do jornal. Tem sido desde então publicado um "Olhar" na segunda edição de cada ano a partir da 1.ª edição.
Foi ainda publicada a reportagem sobre o 2.º Concurso de Palavras DiNotícias, feita por Carolina Bonifácio (9B).
Damos também conta de uma artigo de fundo elaborado em parceria entre as responsáveis pelos dois projetos de leitura dinamizados no Agrupamento:  "Um livro sempre à mão" (professora Lurdes Neto) e "Ler, lazer e aprender" (professora Rosalina Simão Nunes).


Um olhar sobre o DiNotícias
Se há algo que é importante para uma comunidade escolar é o seu próprio jornal. Todas as escolas deveriam ter um para todos poderem conhecer aquilo que os alunos e professores fazem. Dou imensa importância ao jornal escolar, primeiro que tudo, porque no jornal encontramos várias notícias sobre o que aconteceu nas várias escolas do Agrupamento. É a partir da leitura do Dinotícias que descobrimos a quantidade de atividades existentes que são muitas e quase sem nos apercebermos… O que é muito importante.

Depois, a forma como o jornal está organizado dá logo uma motivação enorme, passo a explicar, o jornal na sua capa e na sua parte detrás está a cores com alguns grandes títulos para dar a conhecer o “maior” que aconteceu, depois aborda algumas frases e mostra o assunto e a página para podermos perceber o que se encontra nele. E assim que o encontramos e começamos a desfolhar é percetível ver a sua forma de organização. Já dentro do jornal Dinotícias, tudo se encontra a preto e branco, com algumas imagens e textos que os professores encarregados por essa atividade fizeram e ainda com um rodapé em várias páginas dos patrocínios. Ainda é possível distinguir a letra e o seu carregamento na cor preta… e ainda a forma como estão escritas para dar alguma energia e motivação de leitura. Tem também alguns jogos, como é o exemplo das palavras cruzadas e tem também algumas sugestões de filmes.
Considero muito importante a leitura das palavras do diretor no início do jornal, Dirige-se aos alunos, aos professores, à escola, e fala da “boa educação”, do sucesso, das experiências e de tudo o resto. São sempre palavras importantes e de força para todos lerem.
Ana Carolina Ferreira (9ºB)

2.º Concurso de Palavras Cruzadas
O concurso é desenvolvido no âmbito das atividades do Clube "A Hora das Palavras" e tem, na sua organização, a colaboração dos professores de português do 3º Ciclo. Neste ano, foram colaboradores diretos o professor João Ferreira, a professora Sandra Barbosa e a professora Rosalina Simão Nunes. 
Neste Torneio podiam participar todos os alunos do 3º ciclo que frequentem as escolas do Agrupamento (EB Dr. João das Regras e de Ribamar) e que, obviamente, fizessem a inscrição dentro do prazo imposto junto dos professores de português das respetivas turmas. Não esquecendo que tinham de formar equipas de dois elementos, podendo estes ser de turmas diferentes. O Regulamento foi publicado na 1º Edição do DiNotícias deste ano (Janeiro/14, pág. 18).
Os objetivos essenciais do Torneio das Palavras Cruzadas são: estimular a actividade mental, desenvolver a competência da leitura, promover a leitura do jornal do Agrupamento e desenvolver o espírito de equipa e interajuda.

O Torneio realizou-se no dia 28 de abril nas bibliotecas da Escola EB Dr. João das Regras e da Escola de Ribamar. Inscreveram-se 29 equipas, dando portanto, um total de 58 alunos. Estiveram presentes no dia da Prova 23 equipas, logo, 46 alunos. As equipas tiveram 1h00 para realizar a atividade, tendo hipótese de usar 30 minutos adicionais de tolerância. Era essencial levar, por equipa, pelo menos, um exemplar da 1.ª Edição do DiNotícias de 2013/14.
Nas provas constaram um conjunto de palavras cruzadas feitas com base na 1ª Edição do jornal do Agrupamento, DiNotícias (2013/14) e algumas perguntas de caráter interpretativo.
A prova tem um valor máximo correspondente ao número de palavras que têm de ser descobertas, cada palavra correta vale um ponto. Em caso de empate, é tido em conta o tempo que cada equipa demorou a resolver a prova.
Na minha opinião, todos os objetivos desta atividade foram cumpridos, gerando sempre algum espírito de competição saudável.
Esta é segunda vez que eu e outros colegas participamos no Torneio das Palavras Cruzadas e todos concordamos que desta vez correu bastante melhor, pois já trazíamos alguma experiência da primeira vez em que tínhamos participado e a nossa capacidade de interpretação também já está mais estimulada e desenvolvida. Os resultados já foram apurados. Brevemente serão publicados na página do site do Agrupamento. Damos aqui conta dos cinco primeiros lugares. Os prémios serão entregues durante a Festa do Agrupamento, no encerramento do Ano Letivo.
1º Lugar – Francisco Marques e Francisco Pignatelli (9ºA / JRegras)
2º Lugar – Andriana Tepordei e Inês Almeida (9ºB / JRegras)
3º Lugar – Lara Kwai e Francisco Barreto (9ºB / JRegras)
4º Lugar – Ana Sofia Pereira e Eva Silva (8ºA / JRegras)
5º Lugar – Cátia Santos e Inês Baltazar (9ºB / JRegras)

Muitos Parabéns a todos os que participaram.
Carolina Bonifácio (9ºB)



Promoção da leitura – dois projetos, um objetivo

Neste artigo, iremos apresentar, em conjunto, os dois projetos de leitura do nosso Agrupamento: “Um livro sempre à mão” e “Ler, lazer e aprender”. Considerámos pertinente este assunto, porque urge explicar à comunidade a razão pela qual no Agrupamento D. Lourenço Vicente coexistem dois projetos de leitura, que, curiosamente, e sem que isso tivesse sido pensado, acabam por se complementar como esperamos fique explicado no final deste trabalho.
Assim, no princípio do ano letivo, um dos assuntos que esteve em discussão na primeira reunião do departamento de português foi a definição do projeto de leitura do Agrupamento. Ora, quer o projeto “Um livro sempre à mão”, quer o projeto “Ler, lazer e aprender”, são desenvolvidos há já alguns anos nas escolas EB de Ribamar e EB 2,3 Dr. João das Regras, respetivamente. Logo, da discussão ficou decidido que ambos os projetos coexistiriam, podendo os professores das duas escolas, em conselho de turma, e atendendo às características dos alunos, escolher o projeto que melhor se adaptasse.
Mas contemos um pouco da história dos dois projetos para se perceber melhor do que estamos a falar.
“Um livro sempre à mão” – O projeto nasceu há alguns anos decorrente de experiências partilhadas por outros estabelecimentos de ensino promotoras da leitura individual e autónoma. Na sua génese esteve a ocupação dos tempos de pausa resultantes de ritmos de trabalho diferentes dos alunos, no contexto da sala de aula. Estávamos no início da corrente do projeto Ler + do Plano Nacional de Leitura visando o desenvolvimento do gosto pela leitura, tarefa lúdico-pedagógica, e o conhecimento dos grandes autores lusófonos e de outros países. Também se privilegiou a deslocação do aluno ao espaço da BE de Ribamar como forma de tomar contacto com a elevada oferta do seu fundo documental.

Com a passagem do tempo e o sucesso da implementação do projeto, esses momentos de leitura silenciosa saíram do espaço da disciplina de Língua Portuguesa e foram acarinhados e valorizados por outras disciplinas do currículo do aluno.
Assim, consideramos que o mesmo foi e é uma mais-valia na divulgação da literatura e no enriquecimento pessoal de cada aluno, apesar de ainda termos de caminhar para que a leitura faça parte da vida diária de cada aluno.
 “Ler, lazer e aprender” – A ideia de desenvolver este projeto aconteceu no âmbito de uma ação de formação com o mesmo nome onde se pretendia “encontrar uma relação forte entre o nível de desempenho de leitura dos alunos e o tempo dedicado a atividades linguísticas, em geral, e à leitura, em particular, ou seja, lerá melhor quem ler mais e lerá mais quem ler melhor” (Moniz, 2006).
Portanto, este projeto parte da leitura livre, regular e sistemática. Concretiza-se numa atividade de 15 min. diários de leitura silenciosa (autónoma) iniciais em diferentes disciplinas, mediante a elaboração de um calendário elaborado a partir da disponibilidade das várias disciplinas. Todo o processo é coordenado por um professor do conselho de turma, preferencialmente, o de português que é sempre quem apresenta o projeto aos conselhos de turma.
A ação de formação ocorreu no ano letivo de 2005/06 e é desde essa altura que o projeto é desenvolvido na escola EB Dr. João das Regras, portanto, há 9 anos.
Entretanto, foram criados materiais que permitem recolher dados de forma a controlar o tempo usado para a atividade de leitura, bem como formas de controlar a regularidade com que os alunos trazem os livros assim como o registo dos livros que leem. A par da atividade de leitura silenciosa, outras atividades foram surgindo. Por exemplo, o passaporte da leitura, a apresentação das leituras (uma por período), cronologias das leituras, à conversa (com encarregados de educação, familiares e/ou amigos dos alunos) sobre a importância da leitura, marcadores e até um sarau da leitura já foi feito.
TESTEMUNHOS
Ao longo destes anos, muitos foram os alunos que aprenderam a ler, a gostar de ler e ter o hábito da leitura por causa destes dois projetos. Fomos à procura de alguns desses testemunhos. Partilhamos também a opinião de duas professoras.
“O projeto “Um Livro sempre à mão” foi muito importante para mim, pois agora conheço mais histórias e também tenho mais criatividade para as criar. Este projeto de leitura também me proporcionou o contacto com uma grande diversidade de livros o que aumentou o meu gosto e interesse pela leitura e também o hábito de ler de livre vontade.”
José Maria Marques
7ºano/Ribamar

 “ O projeto “Um livro sempre à mão” existe desde que frequento esta escola e tem como objetivo que nós leiamos mais, pois há muitos que pouco leem ou mesmo nada. Assim, quando termino algum teste ou outra atividade e aguardo pelos meus colegas, posso ler o livro que trago sempre na minha mochila. Algumas vezes, tive de realizar algum tipo de trabalho sobre o livro que li.
Gosto do projeto e espero que o mesmo continue, porque a leitura ajuda-nos a descobrir outras experiências e a desenvolver a criatividade e a escrita. Não importa o tamanho do livro, o que interessa é criar o hábito de ler todos os dias um pouco sem sermos obrigados.”
Catarina Miguel
9ºano/Ribamar
 “O que me ajudou a formar, no nono ano, o hábito de ler com maior frequência foi sem dúvida o projeto “Um Livro sempre à mão”. É com orgulho que afirmo que me tornei uma autêntica devoradora de livros. Penso que tenha sido o ano em que li maior quantidade de obras, e hoje sinto pena por não conseguir ler tantas, porque ler é dos melhores passatempos que podemos ter.  (…) O projeto “Um Livro sempre à mão” mostrou àqueles que nele participaram as inúmeras vantagens de ler, e acredito que muitos dos alunos que com esse projeto descobriram o gosto pela leitura, não sejam destes alunos que hoje só leem aquilo a que são obrigados. .(…) Assim, tenho a agradecer ao projeto “Um Livro sempre à mão” por me ter ajudado a perceber que podemos ler em qualquer lugar, mesmo que por apenas cinco minutos, porque podemos assim formar importantes hábitos de leitura. “
               
Carolina Miguel
11º ano/Secundária Lourinhã

O projeto "Ler, lazer e aprender" além de me ensinar a escrever melhor, deu- me também a conhecer a paixão que se ganha ao ler. Este projeto fez nascer  em mim o gosto pela leitura de tal forma que passei a ter de ler por necessidade todos os dias. E mantenho, hoje, esse hábito.
Fátima Joaquim
Ex-aluna da Escola EB Dr. João das Regras

“O «Ler, lazer a aprender» é um projeto fantástico, tendo em conta que os alunos chegam ao 9º ano a gostar verdadeiramente de ler. Por vezes, solicitam orientação na escolha dos livros e dá-lhes prazer partilhar a análise das leituras realizadas.”
Ana Crespo, professora de História que participa
 no Projeto “Ler, lazer e aprender” há 5 anos.

“Pela primeira vez no Agrupamento, achei a ideia do projeto “Ler, lazer e aprender” útil no despertar pela leitura de outros temas. Um dos aspetos mais interessantes que encontro é o facto dos alunos gostarem de partilhar o que estão a ler o que me permite, também, partilhar as minhas leituras. Não posso também deixar de referir que desse hábito de terem o livro para ler nos 15 minutos diários, pedem muitas vezes para ler, quando acabam uma tarefa ou depois de acabarem os testes. Sinto, acima de tudo, que os alunos de uma forma geral, gostam de estar a ler.”
Andreia Rodrigues, professora de Ciências Físico-Químicas,
a participar, pela primeira vez, no projeto.

E parece-nos que, por agora, cumprimos o objetivo deste trabalho: apresentar os dois projetos de leitura do Agrupamento. E, tal como dizemos, no início, são dois projetos que, afinal, se complementam. Muitas vezes, os alunos que desenvolvem o projeto do “Ler, lazer e aprender”, no fim das tarefas, e enquanto esperam por novo trabalho ou quando acabam os testes antes do tempo, pedem aos professores licença para ler, concretizando, por isso, o projeto “Um livro sempre à mão”.

Lurdes Neto
Rosalina Simão Nunes





terça-feira, 24 de junho de 2014

Marcadores

Quando iniciávamos a "arrumação" do ano letivo, encontrámos alguns marcadores de livros feitos no âmbito do Projeto de leitura "Ler, lazer e aprender". Aproveitamos, por isso, para os publicar.

  • do 7ºA, a Mafalda Abreu, Catarina Silvério, Gustavo Campos, Ana Marta,
  • do 7ºB, o Afonso Godinho, Renata Silva.



Para ver a exposição virtual de todos os marcadores feitos e apresentados durante esta semana aceda a este link.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

O leitor do ano

Durante este semana, ficámos a saber que o Pedro Ribeiro do 7ºB foi o aluno do 3º Ciclo da Escola EB 2,3 Dr. João das Regras que mais livros requisitou durante o ano letivo que agora termina.

No reconhecimento deste facto, foi-lhe oferecido pela BECRE, na pessoa da professora Bibliotecária, professora Alexandra Bernardo, um livro e um diploma de que deixamos imagens de registo. 

Estamos, por isso, muito contentes e orgulhosos, Pedro!

Muitos parabéns.