segunda-feira, 22 de junho de 2009

Adaptar à nova vida


Todas as pessoas que imigram, no geral, a meu ver, não têm uma vida fácil ... Digo isto, pois, para imigrarem, necessitam de pretextos, que podem ser, por exemplo: guerras, perseguições, desemprego, etc.

Penso que, ao chegarem a Portugal, necessitam de muito apoio. Sofrem. Têm que se adaptar : ao novo modo de vida, à descriminação ( de que muitas vezes são vítimas), ao novo trabalho (se houver)…

Tudo o resto, vem em cadeia: se têm cá conhecidos, podem ficar (nem que seja temporariamente) em sua casa, se assim não for, necessitam de encontrar habitação o mais rápido possível (a não ser que fiquem a dormir na rua, aeroporto, ou outra instituição). Depois, necessitam de emprego, para suster tanto a casa como a eles próprios. Mas, com o desemprego que tem havido, julgo que todos os que imigrarem, neste momento, para Portugal não vêem em busca de emprego/trabalho…

Quanto ao “ se adaptar à nova vida”: conheço uma senhora que imigrou com duas filhas gémeas pequeninas para Portugal (o marido foi obrigado a ir para a guerra) e, ao chegar cá, ficou num apartamento (vazio) do irmão. Entrou em depressão. Não saía de casa… Um dia, o porteiro do prédio bateu-lhe à porta e ofereceu-lhe um saco cheio de cerejas. Seguidamente, um vizinho do andar de cima propôs-lhe que tomasse conta da sua filha. Aceitou. Acho que essa senhora “sobreviveu” graças à solidariedade das pessoas que a rodeavam, algo que começa a ser raro, nos dias que correm…

Sara Félix

8ºE