quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

1ª Oficina de escrita (9ºC e D) - Reflexão sobre o conto "A Aia", de Eça de Queirós

QUESTÃO
Pode o dever de lealdade levar alguém a sacrificar a vida do seu próprio filho para salvar o seu senhor?


Num texto que não deve ultrapassar as 100 palavras, reflitam sobre esta questão suscitada pela leitura do conto "A Aia" de Eça de Queirós.



COMO RESPONDER
Podem publicar a vossa reflexão na caixa dos comentários até ao dia 3 de fevereiro ou entregar na sala de aula, no dia 1 de fevereiro.

16 comentários:

Anónimo disse...


O conto "A Aia" de Eça de Queirós fala-nos de uma mulher corajosa(a aia) que para salvar o seu senhor, deu a vida do seu filho para a morte.
Isto é um conto, e acho que na realidade os pais não dariam a vida dos seus filhos para salvar o filho dos seus patrões.
Como já li em livros de histórias veridicas os pais dão a sua vida para salvar os seus filhos, isso sim.
Só pessoas muito corajosas para fazer o que a aia fez. No final deste conto a aia matou-se para fazer companhia ao seu filho. Nesses livros que li os filhos mataram-se pois não conseguiam viver sozinhos, sem os seus pais.

Sílvia Alves :)
Nº15 9ºC

Anónimo disse...

Na minha opinião,a lealdade que a Aia tinha para com aquele reino era excessivo, porque ela chega aos extremos. Eu considero" não humano", matar o seu próprio filho para salvar o seu senhor. E,como consequência, quem sofreu depois foi o seu filho, não tendo culpa.
No entanto, a Aia tinha fé,pois se tirasse a vida a ela própria, iria ter com o seu filho para amamentá-lo.

Cristiana Alexandre 9ºc

Anónimo disse...

A lealdade é um aspeto muito importante, e devemos ser honestos com tudo e todos.
Acho que é um aspeto um bocado exagerado pois um filho é mais importante do que a lealdade penso eu, mas por outro lado ela fê-lo bem pois suicidou-se ao saber que iria ter com o filho novamente e que seria uma nova vida. Admiro esta personagem.
Palavras - 62
Ana Carolina Nº1 9ºD

Anónimo disse...

A atitude da Aia foi muito humana perante o seu senhor, mas mãe que é mãe não troca o seu filho por nada, mesmo que seja bastante importante, pois um filho é eternamente um filho.
Aia demostrou ter amor, afecto e carinho pela família real mas no meio de tanta alegria e ao mesmo tempo tristeza acabou por perder o seu filho.
Naquela altura era tudo diferente, e a atitude que a Aia tomou era apreciado como uma boa acção para o rei.
Jamais concordo com esta atitude, porque para mim, matar um filho é se retirasse o coração fora, e não avesse mais vida.


Liliana Oliveira - 9ºD

Anónimo disse...

A aia como acreditava que a sua vida continuava no céu, deu-a e a do seu filho para salvar a criança que havia de ser o seu rei. No entanto uma pessoa dita “normal” provavelmente não o fazia, tentava resolver o problema de outra forma. Ela até podia dar a vida pelo seu filho pois como é sua a mãe pode sentir a necessidade de o proteger mas nunca o desfecho podia ser assim tão trágico. Mesmo que uma pessoa esteja eternamente grata e lhe seja leal para sempre não dava a vida do seu filho para a salvar.

99 palavras

Ana Silva Nº2 9ºC

leonardo santos disse...

namiha opiniao fantástica a atitude da aia, porque, como já disseram, para ela tudo têm um final feliz e ela fica muito satisfeita. Ao matar-se vai ter com o seu filho que sacrificou e, também, a rainha fica com o seu pequeno herdeiro

Anónimo disse...

Tal como no conto “A Aia”, por vezes, o dever de lealdade pode levar alguém a sacrificar a vida do seu próprio filho para salvar o seu senhor, sendo mais comum em quem acredita na vida depois da morte.
Quem não acredita é provável que não o faça.
Também existem pessoas que são obrigadas a fazê-lo, por serem ameaçadas ou até violentadas.
Esta situação era mais frequente antigamente, no tempo da Idade Média.
Atualmente existe apenas em alguns países cujas leis são muito rígidas.

Nº de palavras: 84

Maria Inês Oliveira
9ºD- Nº20

Anónimo disse...

Admiro muita a lealdade da Aia, pois sacrificou a vida dela pelo filho. Acho que ela foi muito corajosa, mas por outro lado acho cometeu um erro muito grave, porque ela ao morrer acreditava que iria ter com o seu filho, e que ia salvar o reino.

Sara 9ºD

Anónimo disse...

O conto “A Aia”, de Eça de Queirós, teve um final surpreendente. Nele a Aia sacrifica o seu próprio filho para que o rei sobreviva. Este acto leva-nos a uma questão “Pode o dever de lealdade levar alguém a sacrificar a vida do seu próprio filho para salvar o seu senhor?”.
O facto de a Aia ter sacrificado o filho pode ser justificado com o que ela mesmo acreditava, ou seja, que a vida continua depois da morte. Mas, na realidade, acho que não haveriam muitas pessoas que o fizessem, pois não teriam tanta paixão ou fé para tal.
Margarida Almeida, 9ºC
100 palavras

Anónimo disse...

No conto “A Aia” a lealdade da pobre escrava ultrapassava o normal. O amor ao seu senhor levou-a a mandar o seu filho à morte para salvar o seu príncipe. Mas por outro lado, como a aia era uma daquelas pessoas que acreditava que a vida continuava no céu, sabia que iria reencontra-lo.
A lealdade, por vezes, passa de amor para um exagero que leva as pessoas a ignorar as consequências. Ficamos tão entusiasmados para ajudar alguém que esquecemo-nos da nossa vida.
Viktoriya Vashchynska 9ºC

Anónimo disse...

São poucas as pessoas que hoje em dia faziam o que a aia fez. Pois são poucas as pessoas que têm tamanha fé para acreditar noutra vida, e tamanha lealdade com os seus patrões. Atualmente as pessoas preocupam-se mais “com o seu próprio umbigo”, muitas pessoas são capazes de arruinar os patrões para poderem ficar com empresas…
Acho que ato da aia foi muito nobre, pois os empregos existem vários, mas filhos só existe um, um filho é parte de si. E ao abdicar o seu filho para salvar o príncipe demostranos um ato de tremenda coragem e lealdade.

Mariana 9º C

Anónimo disse...

Normalmente, o dever de lealdade para com alguém, não faz as pessoas sacrificarem a vida dos seus filhos. No entanto, elas abdicam das suas vidas em situações momentâneas de risco a fim de salvarem os seus entes queridos.

No conto “A Aia”, a personagem principal agiu de maneira contrária: ela sacrificou a vida do seu filho de modo a salvar o seu senhor e, sucessivamente, o reino onde habitava. Este acontecimento sucedeu-se devido ao facto da Aia ser bastante religiosa e acreditar que existia vida para além da morte. Esta personagem pode ter-se inspirado em Jesus que deu a sua vida para salvar o que tinha criado, inclusive os humanos.

As pessoas religiosas são capazes de tudo!


Inês Cordeiro
9ºC

Anónimo disse...

A meu ver, a aia teve uma atitude bastante corajosa, que nem todas as mães seriam capazes de a ter. Ela tomou a decisão de trocar o seu filho pelo príncipe apenas por um grande sentimento de lealdade ao seu reino. Para isso, foi preciso despir-se de todas as emoções que a ligavam ao seu menino e correr o risco de o perder. Provavelmente, se a escrava não tivesse feito o que fez, o reino em causa estaria arruinado, mas, pelo contrário, nem ela nem o seu filho estariam mortos.
Com a leitura deste conto, podemos concluir que a lealdade, em várias ocasiões, se sobrepõe aos sentimentos mais fortes.

109 palavras

Madalena Castro 9ºC

Anónimo disse...

Segundo o conto, a aia foi leal aos seus senhores visto que lhes foi fiel ao ponto de sacrificar a vida do seu filho pela do rei. Contudo, terá sido esta uma atitude correta? Naquela época, era provável que sim, pois em primeiro lugar estava a realeza. Morria-se e matava-se para assegurar o seu bem-estar. No entanto, seria completamente diferente hoje em dia. Seria inaceitável uma mãe abdicar a vida do filho pela do seu “patrão”. Do meu ponto de vista, o amor de mãe é maior do que qualquer outro compromisso.

Margarida Pinheiro, 9ºC

Anónimo disse...

A lealdade não deve passar por matar o próprio filho para salvar o senhor como fez a escrava, mas por outro lado fez bem em ter feito aquilo pois assim salvou o rei e o reino, no fim de contas ela ate foi humilde pois não queria ouro só queria estar como seu filho e como acreditava que havia vida para além da morte matou-se só para poder estar com ele.


Tiago Gaspar Nº17 9ºC

Anónimo disse...

Eu acho que a lealdade é um dever e que toda a gente devia ser leal a si próprios e também a todas as pessoas.
Mas, por outro lado, não acho que a Aia tenha tido a atitude certa ao trocar os filhos porque um filho é muito mais importante do que a lealdade, mas por outro lado concordo porque acho que ela esteve bem depois de ter sacrificado o seu filho, tudo graças á lealdade e também sacrifica-se a si própria.

Ricardo Gomes Nº24 9ºD