sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Uma coisinha que rebenta


Uma coisinha que rebenta

Eu peguei num quadrado

Sem saber o que era

Ao vê-lo fiquei admirado

Carreguei num botão

Do que é que eu estava à espera...

De uma enorme explosão

E soltou-se uma granada

Seguida de nada

E lá foi uma pessoa ao ar

E eu sadicamente pus-me a olhar

E percebi que tenho poder para fazer pior

E explodir com o armazém das empresas Lindor

Peguei numa coisa

E montei-a noutra coisa

Descobri que essa coisa era inflamável

Para uns mau

Mas para mim saudável

Botei-lhe coisas inflamáveis

Incluindo gasolina

Atei à coisa uma linha fina

Ainda sem saber o que é coisa

À linha fina chamei-lhe rastilho

Com isso pus a coisa num prédio sem fazer estrilho

O tabaco caiu no rastilho

E o rastilho pôs-se a arder

Eu pus-me a ver

E gostei do que vi

Tudo rebentou

E a história acabou

Porque a bomba ordenou

Dominique Martinho, 8ºD

Sem comentários: