segunda-feira, 16 de abril de 2012

Convidámos..., no Projeto "Ler, lazer e aprender" - Reportagem

Na 2ª Edição do DiNotícias, o jornal do nosso Agrupamento, foi publicada a reportagem do Pedro Quintans (7ºA), a propósito de "Convidámos... À conversa com", atividade desenvolvida no âmbito do projeto de leitura "Ler, lazer e aprender". Publicamos aqui o texto na íntegra. Na foto ao lado, podem ver o aspeto do artigo, no jornal, na página 13, secção Acontece.





Mais uma das atividades do projeto “Ler, Lazer e Aprender já está em vigor: “Convidámos… À conversa com.” O objetivo é levar à sala de aula pessoas da comunidade educativa para partilharem a sua experiência com a leitura.

No dia 7 de fevereiro a actividade arrancou com a presença, na nossa sala de aula (7ºA) da professora Ana Isabel Alves, a nossa professora de Inglês. Contou-nos como tinha começado a adquirir o gosto pela leitura.

No dia 14 de Fevereiro, tivemos outro convidado: Joaquim Silva, pai da Filipa e da Joana Silva e que nos veio  falar sobre os “livros da sua vida”.

Começou por referir que, no dia anterior, as suas filhas lhe tinham pedido:  “Pai não nos envergonhes!” Soltaram-se gargalhadas e desde aí criou-se um ambiente mais apelativo.

Joaquim Silva começou a ler livros de Banda Desenhada do Mickey, Tio Patinhas e Pato Donald pelas das carrinhas ambulantes da Gulbenkian que circulavam de tempos a tempos pelas aldeias: “Era um dia muito aguardado quando a carrinha chegava à aldeia.” – testemunhou Acrescenta que gosta de ler, mas que não lhe agradam muito os livros de romance. A sua preferência é sobre livros técnicos e biografias. Depois ficámos a saber que, quando acabou de estudar, perdeu um pouco o hábito da leitura, e que lia apenas meros folhetos e jornais. Disse-nos, ainda que, neste momento, está a ler a biografia de Fidel Castro.

Deu-nos vários conselhos, entre os quais que o importante é ler, seja o que for, “porque quanto maior for o alargamento dos horizontes da leitura mais rico fica o nosso conhecimento”. Depois, houve uma parte em que pudemos fazer algumas perguntas e ficámos a saber, por exemplo, que a carrinha com os livros só passava de três em três semanas e que não havia o hábito de trocar de livros, uma vez que cada um tinha de ser responsável pelo seu próprio livro. Uma das últimas perguntas era sobre o livro mais marcante. Ficámos a saber que, até hoje, o livro que mais o marcou foi: Manual do Comportamento Humano.

No dia 17 de fevereiro, recebemos mais um convidado. Chama-se Pedro Lino, anda na Universidade do Algarve e poderá dizer-se que já é experiente neste mundo da escrita e da leitura, uma vez que já escreveu e publicou um livro, em 2010 : A Vida é uma boia. É primo do nosso colega Francisco Marques.
Fez questão de começar a explicar o significado do título do seu livro, apelando à nossa participação e, pela maneira de falar e de se expressar, nota-se que está muito à vontade e que é muito culto.

É de relatar que tanto o Sr. Joaquim Silva como o Pedro Lino têm livros de referência na infância: As Gémeas, Anita, Tio Patinhas, A Turma da Mónica e Os Cinco.

O Pedro falou-nos de alguns dos seus escritores preferidos. Por exemplo, José Saramago, Nobel da Literatura, 1998. Segundo o Pedro, “As pessoas, às vezes, dizem que não gostam de Saramago, porque não tem pontuação mas tem! Só que José Saramago tem uma forma muito especial de pontuar. Apenas utiliza a vírgula e o ponto final. Acrescentou, ainda, que José Saramago tinha também um grande sentido de humor apesar das pessoas o verem como uma pessoa muito séria.
Aconselhou-nos a dar uma “olhadela” no escritor Rui Zink e no seu livro Aníbal leitor, que trata de um rapaz que não gostava de ler, mas que aprendeu a gostar. Deixou-nos este conselho:
“Não se sintam obrigados a ler mas entrem numa biblioteca e encontrem os seus escritores favoritos, vão à procura!”
E, de novo, na parte final, pudemos fazer algumas perguntas.

Um colega perguntou ao nosso convidado se tinha em mente escrever mais livros. O Pedro respondeu da seguinte forma: -“Um livro é como um filho faz-se e pergunta-se quando vem o outro!” Outra pergunta que foi feita prendia-se com o livro que já tinha escrito e procurámos saber como tinha surgido a ideia de escrever um livro. Ficámos a saber que os amigos tinham tido um papel muito importante,  nesse processo, já que tinham sido eles que o tinham incentivado.  Até porque “No início comecei a fazê-lo por brincadeira, mas depois…”

O livro preferido de Pedro Lino é As intermitências da Morte, de José Saramago, pois esse livro dá-nos outra visão do que é a morte. Segundo as suas próprias palavras: “Morrer é bom, já pensaste o que é ficares sempre vivo, com doenças, velho!?” À pergunta se já tinha lido o mesmo livro duas vezes, disse-nos: -“Sim, como é óbvio, quando lemos um livro que é bom temos sempre vontade de lê-lo outra vez!” Terminámos este encontro, querendo saber se o Pedro já tinha pensado em ser escritor para a vida toda. Disse-nos que aquela era uma boa pergunta. E que, claro, “gostava de ser escritor, mas é muito difícil aqui, em Portugal, pois temos escritores muito bons! Se fosse era um excelente sinal, mas apenas vejo a escrita como um hobby.”

Para já esta atividade está a ser muito interessante, uma vez que ficamos a saber como é que os outros lidam com a leitura, de que forma começaram a ler e quais os seus interesses.

Pedro Quintans, 7ºA

Sem comentários: